Salto Angel, aos pés da maior cachoeira do mundo


Salto Angel Venezuela

Conhecer a cachoeira Salto Angel, na Venezuela, estava em nosso bucket-list há muitos anos! O Marcos que me apresentou o destino, logo me encantei e estávamos decididos a conhecer.

Tentamos planejar tudo que queríamos fazer no país antes de entrar. Falamos com agências de turismo, contatos que poderiam nos ajudar por lá, hospedagens e para onde iríamos. Queríamos muito conhecer a maior cachoeira do mundo, e logo vimos que ir por conta própria seria bem complicado, diria que quase impossível. Então tivemos que recorrer a uma agência de turismo.

Ficamos hospedados alguns dias em Puerto Ordaz, na Pousada Churum Meru, e foi lá que conhecemos a Ayapaina Tours. Tentamos encontrar outras agências para comparar os preços, e logo vimos que essa era a mais em conta e gostamos do que nos foi apresentado. Sem contar que eles eram parceiros da pousada que estávamos e isso ajudou muito na organização.

O dia a dia aos pés do Salto Angel

Não tem como fugir da aventura por aqui, seja caminhando pelas trilhas da região ou em passeios de barco para agilizar o caminho. Além do salto Angel há outras cachoeiras menores para conhecer e que geralmente estão inclusos no pacote.

Nosso tour durou 3 dias, e logo de cara já fomos conhecer o Salto Angel, e no segundo dia ficamos na região da Laguna Canaima, fizemos um passeio bem divertido na parte da tarde, pelos saltos menores da região, como o Ucaima, o Wadaima, o Hacha e o El Sapo.

Dia 1

Saímos de Puerto Ordaz por volta das 7:30 da manhã, o voo foi tranquilo e durou cerca de 40 min, voamos com a Transmandu. O aeroporto de Canaima é bem pequeno, e só há voos durante o dia, não há sinalização por luzes para voos noturnos. Desembarcamos com nossas mochilas e logo encontramos nosso guia.

Assim que desembarcamos tivemos que pagar a taxa de entrada do Parque Nacional Canaima, valor obrigatório, mas por conta da situação que o país estava nós não tínhamos dinheiro, viajamos para lá sem um tostão. O cambio não estava bom, quer dizer, estava péssimo, e encontrar dinheiro em espécie era quase impossível. Então, logo que contratamos o tour já deixamos avisado que não tínhamos como pagar essa taxa, que eles deveriam incluir em nosso pacote, e assim foi.

Não demorou muito e fomos avisados que iríamos conhecer o Salto Angel no dia que chegamos, o que não é comum. Geralmente se faz o passeio pela Laguna Canaima, pelos outros saltos, e somente no dia seguinte sobe até Angel.

O tempo não estava muito bom, entre nuvens e às vezes com um pouco de chuva. Fomos de caminhão até o local onde pegaríamos o barco e logo seguimos viagem. Nos avisaram para embalar o que pudéssemos  em bolsas plásticas e usar sandálias no barco, pois iria molhar um pouco. Aproveitamos para usar nossos ponchos de chuva. Se você tem um, leve, pode ser útil.

Nossas mochilas ficaram bem protegidas

Nossas mochilas ficaram bem protegidas

Foram mais ou menos 5 horas de barco, subindo o rio, e muita água. Água do rio e da chuva, tentamos nos proteger como dava, mas todos chegamos encharcados. Almoçamos no barco mesmo, um lanche rápido (pão, frios, água, coca-cola, bolacha doce e salgada). Foi uma forma de acelerar a viagem, pois geralmente se almoça em terra firme. 😀

O tempo não estava muito bom, mas às vezes as nuvens sumiam e podíamos ver os grandes tepuis, o Parque está cheio deles e é uma paisagem única, de filme. Não é a toa que é um dos cenários do filme Up – Altas aventuras.

Impressionantes Tepuis ao longo do rio

Impressionantes Tepuis ao longo do rio

Desembarcamos, nosso guia indicou o caminho pela trilha e começamos a caminhada. Andamos por mais ou menos 30 min (depende do ritmo de cada um) até a base do Salto Angel. Pensa em nossa ansiedade. Queríamos correr, mas também queríamos aproveitar a trilha. O tempo até deu uma trégua e abriu um céu azul quando chegamos ao mirante.

Sem palavras para descrever o que víamos. Extremamente alta, muito alta. Uma queda linda de água a 979m acima de nossas cabeças. Às vezes as nuvens passavam e não dava para ver o topo, mas por poucos minutos pudemos contemplar com um céu limpo. Estávamos novamente realizados de estar ali, vivenciando algo que sempre sonhamos.

O Salto Angel

O Salto Angel…

E nossa felicidade

… e nossa felicidade

Como o nível de água estava alto não era possível nadar no poço aos pés da cachoeira. Somente ficamos ali de longe, olhando e gravando em nossa mente cada pedaço daquele lugar. Nosso tempo foi passando e por conta do horário não pudemos ficar o quanto gostaríamos, logo ia escurecer.

Começamos a descer, combinamos de esperar o guia no fim da trilha, onde pegaríamos o barco para atravessar o rio e chegar ao nosso alojamento. Essa noite dormiremos em redes, e foi nossa primeira vez dormindo assim, e já adianto que foi bem tranquilo. Dormimos a noite toda sem problemas.

Logo que chegamos na Isla Ratón fomos conhecer o Excursiones Kavac, nosso acampamento. Tomamos um bom banho gelado e colocamos uma roupa seca. Quer dizer, nem todos tomaram banho, mas isso fica entre nós 😉 . O jantar foi servido, comemos muito bem e demos algumas boas risadas, o grupo era divertido. Ainda teve sobremesa e café para fechar a noite.

Nossas camas :D

Nossas camas 😀

Subimos para o redario e já era hora de dormir, o dia seguinte (nosso segundo, mas para o restante do grupo seria o terceiro e último dia) seria puxado. A chuva não cessou durante a noite.

Dia 2

Acordamos cedo, antes das 6h, e já havia parado de chover. O dia estava clareando e fomos surpreendidos por uma bela imagem, do nosso acampamento dava para ver a queda do Salto Angel. Entre um gole e uma mordida do café da manhã saímos da mesa para aproveitar o visual. Não sei se todos os acampamentos tem uma vista tão bela da cachoeira como tinha o nosso.

Nossa bela vista do Salto Angel

Nossa bela vista do Salto Angel

A descida de barco foi mais rápida, acho que em menos de 3h já estávamos de volta a Laguna de Canaima. Nos molhamos menos que na ida, mas mesmo assim nos molhamos. Algumas pessoas do nosso grupo foram embora, outros ficaram uma noite a mais, apenas descansando e nós fomos para o nosso quarto. Hoje dormiremos no Tapuy Lodge, um belo e confortável quarto, com o restaurante de frente para a Laguna, lindo visual.

Depois do almoço saímos para a nossa tarde de passeio. Nos juntamos a outro grupo e fomos conhecer outros 4 saltos, bem menores, quer dizer, mais baixos, mas não menos impressionante. Cada um com sua peculiaridade. Foi divertido caminhar por baixo das quedas d’água, as cachoeiras podem ser pequenas em tamanho, mas o volume de água que cai é impressionante, impossível não se molhar com tanta água. O salto Sapo é utilizado para gerar energia para os moradores de Canaima, há uma pequena hidrelétrica lá.

Salto Sapo

Salto Sapo

O entardecer estava muito bonito, por vários momentos nos esquecemos de onde estávamos, do país em que estávamos. Foi algo único de se fazer e estávamos felizes de poder aproveitar tudo que nos foi oferecido.

Laguna Canaima

Laguna Canaima

Durante o jantar tivemos a apresentação do grupo de jovens músicos de Canaima, jantamos ao som de violinos e viola, com música clássicas e também da região. Foi emocionante, estávamos em apenas 6 pessoas, os últimos a deixarem o povoado e tivemos esse presente especial. Foi uma linda forma de nos despedirmos desse lugar inesquecível.

Dia 3

A noite foi bem descansada, e logo após o café da manhã nos arrumamos para partir. Esperamos o caminhão que nos levaria até o pequeno aeroporto. Nosso voo estava marcado para às 10:30. Sem muita burocracia fizemos o check-in e aguardamos. Aguardamos. E aguardamos. O voo atrasou em mais de 1h. Acabamos trocando um pouco de dinheiro no aeroporto (mesmo não valendo a pena) para conseguir comer algo.

Decolamos e em mais ou menos 40 minutos estávamos de volta a Puerto Ordaz. No aeroporto já havia uma pessoa nos esperando e logo retornamos para a hospedagem de Churum Meru. Nosso lindo e tão sonhado passeio pelo Salto Angel chegava ao fim.

Com quem fizemos o tour
Ayapaina Tours C.A.
www.ayapainatours.com
William Rivera Telefone (+58) 424.649.9685
E-mail: reservas@ayapainatours.com

Quanto custou
Tarifa de entrada no Parque Nacional Canaima – $1.800 bolívares por pessoa.
Passeio de 3 dias e 2 noites (aéreo Puerto Ordaz -Canaima /Canaima -Puerto Ordaz, alimentação, hospedagem e traslados) – US$450,00 por pessoa

Quando fomos
Nos dias 18,19 e 20 de Dezembro de 2016.

Como chegar

Para chegar até o Parque Nacional Canaina, onde esta a Cachoeira Salto Angel e outras belezas naturais, é preciso voar. Há algumas rotas, mas antes de fechar seu roteiro veja se o aeroporto em questão esta realmente funcionando. Para nós o melhor seria ter voado desde Santa Elena de Uairén, após nosso trekking pelo Monte Roraima, mas não foi possível. Então tivemos que voltar por terra até Puerto Ordaz para pegar nosso voo até Canaima.

Para quem chega pelo Brasil, desembarcando em Boa Vista, veja como chegar:

Boa Vista até Santa Elena de Uairen – 3h decarro/taxi/ônibus (lembrando que tem a fronteira para atravessar)
Santa Elena de Uairen até Canaima – 1h de voo (se o aeroporto estiver funcionando)
Caso o aeroporto esteja fechado para esse trecho, será preciso seguir o seguinte caminho:
Santa Elena de Uairen até Puerto Ordaz – 9 a 10h de carro/taxi/ônibus
Aeroporto de Puerto Ordaz até Canaima –  40 a 45 min de voo

Se precisar de um taxista para ir de Santa Elena até Puerto Ordaz, aqui esta o contato do nosso amigo Juan (+58 416-4972657). Nós viajamos com ele duas vezes pelo país.

Quando ir

Poxa se eu tivesse que escolher entre época de seca e de chuva, ficaria bem na dúvida. Nós não tivemos muito como escolher, foi na data que deu para ir, e foi bem na época de chuva. E não me arrependo. Foi demais!

Na seca a queda é menor (em quantidade de água), mas o tempo é mais firme. Na época chuva, bom aí já diz tudo, chove!

O período de chuva, que é quando a cachoeira terá um maior volume de água é de Maio a Dezembro, os rios também estão mais cheios e com corredeiras mais fortes. De Janeiro a Abril são os meses de seca da região, as cachoeiras tem um menor volume de água, mas há mais garantia de tempo estável e céu azul. Quem sabe você até consiga nadar no poço do Salto Angel, que estará com menos água.

Independente da época, de chuva ou seca, vá! Você não vai se arrepender.

O que levar

Você vai se molhar, se sujar e andar de barco e por trilha. Não leve sua melhor roupa ou calçado novo para usar nesses dias de passeio. Abaixo uma pequena lista do que não pode faltar na mala. Ah, lembrando que nesse voo seu limite de peso é de 10kg, ok?

Documentos pessoais
Dinheiro em espécie, nada de cartão de crédito por lá.
Repelente e Protetor Solar
Itens de higiene pessoal
Remédios
Chinelo/Sandálias
Tennis/bota
Máquina Fotográfica
Óculos de Sol/Boné/Chapéu
Agasalho (pode esfriar na noite que você dormir no acampamento, mas eles te dão uma coberta)
Roupas de banho (biquini/maiô, sunga/bermuda)
Anorak ou poncho (para o barco e para a chuva)

Lembre-se de usar saco estanque para proteger suas coisas, ou envolver em algumas bolsas plásticas. Não ouvimos sobre casos de bagagens cairem na água, mas a água vem até você no barco. Pode acreditar 🙂

 

Cau

Brasileira, 30 anos, formada em Marketing. Apaixonada por viagens e tudo que um novo mundo pode proporcionar. Gosta de esportes de aventura. Se aventura também na diagramação dos guias do ViVeVi.

Sem comentários

Adicione o seu

Booking.com