Como chegar a La Paz


Estrada para Santa Cruz de la Sierra, Bolívia (Marcos Borges/A 4 Pés)

A cidade de Nuestra Señora de La Paz fica encravada em um vale e sua altitude varia de 4.000m na cidade de El Alto e 3.600m no centro do vale. Para quem vai do Brasil, chegar na cidade – considerada a capital da Bolívia – não é das tarefas mais fáceis. Não há voos direitos de nenhuma cidade brasileira; não há mais linha de trem que chega na cidade; e as condições das via terrestres não são das melhores, apesar de estarem melhorando. Então a seguir vamos listar algumas das formas de como chegar a La Paz.

Avião

Não há voos diretos para La Paz. As principais rotas para lá passam por Santa Cruz de la Sierra/Bolívia (Aeroporto Viru Viru – VVI) ou Lima/Perú (LIM). O único ponto a ser levado em consideração é que os voos chegam na cidade de El Alto, adjacente a La Paz. De lá é necessário pegar um táxi ou ônibus para dentro da cidade. A empresa Boliviana de Aviación realiza o trajeto por Santa Cruz e Avianca e LAN são as principais companhias que passam por Lima.

Indo pela maior cidade do leste boliviano, os voos são rápidos. Ao todo não se demora mais de 6h para chegar a La Paz. Já por Lima o caminho é um pouco mais longo, no mínimo 8 horas.

Ônibus

Há dois principais caminhos para chegar a La Paz, ambos por Santa Cruz de la Sierra. Para quem vem do sul/sudeste pode sair do Brasil por Corumbá/MS. A outra opção é por Cáceres no Mato Grosso, este caminho é bem menos utilizado.

A empresa Andorinha indica que realiza o trajeto entre São Paulo ou  Rio de Janeiro até a cidade de Puerto Suarez/Bolívia. Puerto Suarez é uma das cidades que fazem fronteira com o Brasil em Corumbá/MS.

A partir de Santa Cruz, há outras duas opções para quem quer chegar a La Paz. O caminho curto, passando por Cochabamba e (às vezes) Oruro, havendo passagens diretas também para quem tem pressa. A outra possibilidade é visitar Sucre e Potosi – de onde o Salar do Uyuni está há 6 horas e é uma ótima opção de passeio – antes de seguir para o norte. Oruro deve ser a parada novamente para quem vai por esse caminho.

Parada forçada devido a pneu furado de ônibus a caminho de Sucre, Bolívia

Parada forçada devido a pneu furado de ônibus a caminho de Sucre, Bolívia (Marcos Borges/A 4 Pés)

Como não tratamos do caminho via trem por não ser uma opção 100% viável para quem quer chegar a La Paz, deixamos apenas uma nota. De Puerto Quijarro a Santa Cruz de la Sierra há a opção de trem, com paradas em Rivero Torrez, Robore e San José, com tarifa entra $100 e $235 pesos bolivianos, dependendo de qual trem pegar, mais informações aqui. A companhia (Ferroviaria Oriental) ainda opera o trecho Santa Cruz de la Sierra até Yacuíba (fronteira com a Argentina). Também há a possibilidade de ir de Uyuni até Oruro de trem, preços entre $31 e $120 pesos bolivianos, informações sobre esse trecho neste link. Este mesmo trem, da Ferroviaria Andina, ainda segue até Villazón/Argentina.

Independente do trecho que pegar é bom comprar com antecedência e não contar com a sorte de pegar o trem no mesmo dia de chegada na cidade de partida, eles geralmente viajam cheios. Além disso, tomar cuidado com o dia que o trem de fato vai sair, quando se vê o +1 a frente do horário de partida/chegada é por que é do dia seguinte, Miércoles 00:05+1 não é da madrugada de terça (martes) para quarta (miércoles) e sim de quarta para quinta (jueves), isto é, o trem sai às 00:05 da quinta. Não pergunte por que, nenhuma explicação até o momento foi compreensível.

Carro

A primeira dica para quem vai de carro é, tenha paciência com tudo, você está em outro país. Por isso, antes de indicar os caminhos e tempos, é necessário dar algumas dicas.

1) Ao entrar em qualquer país com um carro de fora é necessário dar entrada do veículo também. Na Bolívia isso indica que é necessário passar pela Aduana Boliviana e com o documento do carro, buscar a Declaracion Jurada – Ingreso y Salida de Vehículos Turísticos. Algum funcionário da aduana ainda deve verificar número do chassi do carro antes de partir. Sem custo.

2) Aí vem a primeira parêntese, ainda na aduana um oficial deve lhe informar que é necessário passar por uma delegacia e pegar um documento que libera sua entrada no país, para quem chega por Corumbá, há uma delegacia em Puerto Suarez, 11km da fronteira. Apesar de ter toda pinta de fraude, é bom ir, há inúmeras histórias de carros brasileiros que ficam presos no país, aprendidos pela polícia por falta deste documento.

3) Fechando o parêntese acima, deve-se abrir outro, referente a combustível. Veículos com placas internacionais, pagam o preço internacional, algo como 3x o valor pago pelos veículos locais, portanto, há duas opções, nenhuma 100% legal. A primeira é levar – ao menos – um galão e em cada posto, deixar o veículo próximo e chegar a pé com o galão, pede para encher e vai embora. A desvantagem é a demora em encher o tanque. Outra possibilidade – um pouco arriscado – é andar com um conjunto de placas bolivianas. Digo que nenhum é 100% legal por que o exército está presente na maioria dos postos e anota sua placa e a quantidade de combustível que abastece seu veículo, então um óbvio “gringo” com um carro nacional é no mínimo estranho e por fim, é proibido abastecer galões. Algo que só é praticado nas cidades e próximo a La Paz. Uma – rara – possibilidade é encontrar um posto vazio (sem exército e ninguém abastecendo), pois assim fica mais fácil convencê-los a encher o tanque.

Abastecendo em um posto precário em Robore, Bolívia

Abastecendo em um posto precário em Robore, Bolívia (Marcos Borges/A 4 Pés)

4) Por fim, vamos unificar dois pontos em um, a demora quando se dirige pelo país. Não leve em consideração nenhuma “previsão” do Google Maps. 6 horas para chegar em Santa Cruz pode facilmente virar 9 ou 10 horas. São dois os motivos: há dias que você não está com sorte e vai ser parado em 10 bloqueios policias e do exército em 600km. Podem só pedir seus documentos, como podem querer revistar seu veículo todo; e, principalmente nos trechos de longas subidas/descidas, nos Andes é provável que pegue um caminhão carregado indo a 10km/h e ser missão – quase – impossível ultrapassar devido a quantidade de curvas.

Pedagio a caminho de Cochabamba

Pedagio a caminho de Cochabamba (Cláudia Pelegrini/A 4 Pés)

Voltando para motivo central do post, há algumas formas de como chegar a La Paz. As seguintes sendo as principais:

A) Por Corumbá/MS pegar a Ruta 4 até Santa Cruz, depois seguir pela mesma e chegar a Cochabamba e então seguir por ela até encontrar a Ruta 1. Por fim, seguir para o norte pela Ruta 1;

B) Quando chegar em Santa Cruz, pegar a Ruta 9 (sentido sul) até encontrar a Ruta 6, seguir para Sucre e então decidir se segue pela mesma estrada até Oruro, para então pegar a Ruta 1, ou desviar pela Ruta 5 até Potosi e depois Uyuni. Caso decida pela última opção, será necessário pegar a Ruta 30, de terra, até encontrar com a Ruta 1.

C) A última opção sendo entrar na Bolívia por Cáceres/MT e seguir pela Ruta 10 até chegar a Montero, onde encontrará a Ruta 4, companheira até alcançar a Ruta 1.

Estrada cruzando vilarejo a caminho de La Paz

Estrada cruzando vilarejo a caminho de La Paz (Foto: Marcos Borges)

Notas: A Ruta 1, entre Oruro e La Paz está em processo de duplicação, então em alguns trechos há desvios em estradas de terra; Há trechos de terra na Ruta 4, entre Santa Cruz e Cochabamba, sendo asfaltada.

o Farol

O dono da área, ilumina o caminho das viagens e reflete nossos princípios: Viajar, Ver e Viver.

1 comment

Adicione o seu

Adicionar um novo comenário

Booking.com